Desvendando os Segredos do Texto

Olá Pessoal!


Este é o espaço virtual que utilizaremos para compartilhar nosso projeto e as atividades que nele desenvolveremos.
Esperamos que este Blog seja muito útil para todos os professores de Língua Portuguesa, acadêmicos de Letras e demais interessados que por aqui passarem... Neste espaço, publicaremos os textos que produzimos, informações importantes sobre atividades desenvolvidas, planos de aula e sugestões de atividades interessantes!

SEJAM BEM-VINDOS!!!



sábado, 12 de maio de 2012

"Mas... o que é 'texto'?"

Olá, pessoal! J

O assunto que vamos tratar no post de hoje é muito, realmente muito importante!
Vamos começar com uma reflexão: quando você pensa na palavra “texto”, o que vem à sua cabeça?
Eu arrisco dizer que você vai lembrar das redações que fazia na escola, sempre com a observação do professor ou da professora: “sigam a norma culta do português e tomem cuidado com as normas gramaticais”! Ou, então, você pensou naqueles livros enoooooormes (que muita gente tem preguiça de ler), não é?
Pois é...  Quando perguntamos isso para nossos alunos, eles responderam a mesma coisa!
Então, resolvemos iniciar as aulas do nosso projeto mostrando a infinidade de formas que os textos podem assumir!

Para isso, elaboramos um mosaico com vários exemplos:



Mas, você deve estar se perguntando: “Mas aí tem figuras! Como isso pode ser um texto?”

Para entender isto, é preciso lembrar o que é a linguagem verbal e a linguagem não verbal. A linguagem verbal é aquela que produzimos mediante o uso das palavras, seja em textos orais ou escritos: são sim as redações e os livros, mas também as músicas, os manuais de instruções, as bulas de remédio e muitos outros. A linguagem não verbal caracteriza-se pela mensagem que depreendemos de imagens, sinais, certos movimentos: o semáforo, o sinal para se fazer silêncio etc. É importante lembrar que a linguagem verbal e visual mantêm relações entre si, como nas charges e no cinema, por exemplo.

Mas... O que é um texto?

Segundo Francisco Platão Savioli e José Luiz Fiorin (2004, p. 175): “um texto é um todo organizado de sentido, delimitado por dois brancos e produzido por um sujeito num dado tempo e num determinado espaço”.

“O texto é um todo organizado de sentido”:  o texto não é um amontoado de frases ou imagens. Ele é estruturado, organizado e pensado de forma a produzir um sentido, traduzir pensamentos e suscitar muitos outros nos interlocutores. Há um contexto interno: o sentido das palavras dependem das relações delas dentro das orações; o sentido das orações dependem de suas relações dentro do período, e assim suscessivamente. Tudo são relações, o significado da parte depende do todo.

“O texto é delimitado por dois brancos”: esses dois brancos referem-se ao antes e ao depois do contato com o texto. É o tempo de espera para o primeiro contato do interlocutor e o momento em que este termina seu contato com o texto.

“O texto é produzido por um sujeito, num dado tempo e num determinado espaço”: este sujeito está inserido em um determinado grupo social, num certo espaço e tempo, o que faz com que o texto dialogue com o contexto histórico e geográfico em que foi produzido, de diversas formas e refletindo diversas opiniões, mesmo que algumas opiniões se sobreponham a outras.

Assim, podemos concluir o seguinte: um texto pode ser uma produção verbal e/ou não verbal, em que há um diálogo dentro do próprio texto, com suas partes constituintes, e um diálogo do texto com o contexto em que foi produzido e com as concepções do seu autor e do seu interlocutor. Textos são diversas mensagens que podem assumir diversas formas e que, quando interpretamos, recebemos e produzimos sentidos a partir do que nos é apresentado. Ou, simplificando nas palavras dos nossos alunos: “um texto é tudo aquilo que produz um sentido na nossa cabeça!” rs

Agora, quando voltamos à imagem do mosaico lá no início do post, podemos entender porque tudo aquilo são exemplos de textos: tudo o que está presente lá produz sentidos e reflete pensamentos.

E por que o asunto tratado hoje foi tão importante? Porque realmente as redações escolares e os livros são muito importantes e são uma ótima forma de ensinar e aprender! Porém, existem diversas outras formas que os textos podem assumir, e que também são muito importantes para nós. Imagine o trânsito sem as placas e os semáforos; os aparelhos eletrônicos sem o manual de instruções; os remédios sem as bulas; os produtos sem embalagens; as propagandas sem figuras... Seria um caos, não é mesmo? Além disso, nossa vida seria muito sem graça: a infinidade de textos existentes reflete a infidade de pensamentos que o ser humano tem todos os dias! E, se os textos fossem restritos, nosso pensamento também seria restrito, pois a linguagem é a “tradução” dos nossos pensamentos!

Bom, pessoal, é isso! Espero que tenham gostado da reflexão de hoje e que ela os tenha ajudado a encarar os textos de uma forma diferente e mais dinâmica!

Até a próxima!


Referência

FIORIN, José Luiz; PLATÃO; Francisco Savioli. “A noção de texto”. In: Anglo: ensino médio: livro-texto. São Paulo: Anglo, 2004. p.175-177.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Postar um comentário